terça-feira, 3 de janeiro de 2012

Plante Nim (Azadirachta indica) e espante o mosquito da dengue



















O que é Nim?
O nim (Azadirachta indica) é uma planta originária da Índia, trazida para o Brasil em 1992. Trata-se de uma árvore de crescimento rápido, que em poucos anos, atinge mais de 10 metros de altura. Produz os seus primeiros frutos entre 3 e 5 anos depois do plantio. Nas condições dp Nordeste chega a produzir frutos 2 vezes por ano.
Ele se desenvolve bem em regiões semi-áridas, por ser resistente à seca e suportar temperaturas elevadas, adaptando-se facilmente a diferentes tipos de solos. As susbstâncias encontradas no Nim funcionam como repelentes e, quando aplicadas diretamente no inseto podem matar ou provocar alterações genéticas. Insetos atingidos pelo Nim, ao se reproduzirem, geram insetos com o corpo defeituoso, de menor tamanho, com baixa capacidade de alimentação e de reprodução, diminuindo assim a produção da praga.

Defensivo natural
O nim traz grandes benefícios para o agricultor ou agricultura. Suas folhas e sementes podem ser usadas na defesa natural contra muitas pragas e doenças de plantas e também de animais. Controla lagartas, gafanhotos, besouros, pulgões, ácaros, mosca branca, bicudo do algodoeiro e pragas de grãos armazenados. Também controle nematóides e algumas doenças de fungos. No tratamento de animais é usado como carrapaticida e como vermífugo. Não é tóxico ao ser humano, mamíferos em geral, pássaros e peixes.

Produção de madeira
As plantas de nim quando adultas, dão sombra, fornecem madeira de grande qualidade para móveis, mourões e estacas, por serem resistentes ao cupim. Também são usadas na recuperação de solos degradados.

Industrialização
Das sementes do nim, extrai-se um óleo, que atualmente é muito procurado pelas indústrias, para a fabricação de defensivos de plantas e de diversos medicamentos de uso humano e animal. É também utilizado para produção de cremes para pelo, xampus, sabonetes e creme dental.

Preparação caseira de defensivos
Os defensivos à base de nim podem ser obtidos tanto das folhas quanto das sementes e são de fácil preparo. As folhas dever secadas à sombra e depois trituradas em uma máquina forrageira, para a obtenção do pó. Este pó é colocado de molho de um dia para o outro, depois coado em um pano, resulta em uma calda que pode ser aplicada contra pragas de plantas e animais. As sementes devem ser pisadas em um pilão para a retirada de cascas. Em seguida deve-se acrescentar um pouco d'água e continuar pisando até obter uma pasta. Continuando-se a pisar começa a escorrer um azeite. É esse azeite que, misturado com água, é usado no controle de pragas de plantas e animais.
Fonte: Esplar Centro de Pesquisa e Assessoria


Nim nas ruas de Maringá

Nim, plantado em 2009, foi a árvore escolhida para ocupar a calçada ecológica mantida por uma empresa de andaimes, em Maringá-PR. - O Caldo









Árvore de origem asiática ajuda a combater o mosquito da dengue

O nim, uma árvore de origem asiática, está ajudando a combater o mosquito da dengue, no Piauí. As folhas possuem uma substância inseticida que afasta os insetos.

A árvore já está em quase todos os bairros. O professor Francisco Leal, da Universidade Federal do Piauí, que há 11 anos desenvolve pesquisa sobre a planta, explica que o nim possui substâncias naturais na seiva. "O mosquito não gosta do doce e da seiva dessa planta. Ela inibe a alimentação e diminui o crescimento dos insetos e a reprodução", diz o pesquisador Francisco Leal.

A popularização do nim começou em Teresina em 2010. Os viveiros públicos passaram a produzir e a doar mudas da árvore. Em um ano, foram doadas 20 mil mudas.

A prefeitura também está doando mudas de citronela, outra planta de origem asiática com ação repelente. "Uma pulseira de citronela tem o efeito de repelir num raio de 50 metros quadrados qualquer inseto que esteja próxima dela", esclarece Claudiney Feitosa, gerente Meio Ambiente.

Aprenda uma receita de repelente natural de citronela:
Ingredientes:
- 500ml de água
- 100 gamas de folha de citronela picada
- 30ml de álcool

Preparo:
Em um liquidificador, coloque a água e metade das folhos da citronela, bata por cerca de 3 minutos. Depois a mistura deve ser coada e usada para bater o restante das folhas, também por 3 minutos. Em seguida, é preciso coar novamente a mistura para acrescentar o álcool. Continue batendo por 1 minuto e está pronto.
Fonte: Jornal Hoje

Outras pegadas curiosas:
folder Embrapa - Nim: árvore multiuso (PDF)
Cartilha Embrapa - Usos e aplicações do Nim (Azadirachta indica) - (PDF)

segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

Cabeça de capim

Segunda semana das férias escolares do meu Tecnobaby JG e ele já apresenta estresse por falta de novas atividades. Teremos dois meses pela frente que exigirão muuita paciência e criatividade. Isso me lembra que quando as meninas eram pequenas, e o mundo não era tão tecnológico, minha mãe apareceu com uns bonecos chamados "Cabeça-de-Capim". Fizeram muito sucesso, pela interatividade e iniciação na prática da jardinagem: regar, cuidar e observar os "cabelos" crescerem.

Vamos ver se o Cabeça-de-capim, Boneco-de-alpiste, Cabeça-de-batata, Boneco Ecológico, Peruca-de-alpiste, Boneco Orgânico... ou seja lá o nome que os pequenos quiserem dar, fará o mesmo sucesso nestes tempos tão cheios de Ipadtudo.



Material básico:
- Meia-calça
- Serragem ou areia (de preferência aquela lavada por ser mais grossa)
- Alpiste ou painço
- Cola (pode ser para tecido ou cola quente)
- Para montar a carinha use retalhos de feltro ou de tecido ou de E.V.A.; ou botões; ou lã... ou o que tiver à mão. Crianças apreciam coisas inusitadas.
- Pratinho de plástico ou fundo de garrafa Pet

Para facilitar usaremos a ponta de um dos pés da meia, porque já tem a costura. Durante o enchimento, a cabeça do boneco será montada para baixo. Misture um punhado de alpiste com a areia ou serragem e coloque dentro da meia até onde você quer que comece a nascer os "cabelos" do boneco.

Preencha o restante da meia com a areia ou serragem (sem alpiste). Amarre ou costure e corte as sobras (lembrando que a amarração será o pescoço do boneco).

Modele a cabeça (em forma de bola, batata ou do jeito que achar legal) e faça a carinha. Se preferir, os olhos devem ficar um pouco abaixo da mistura de sementes com serragem. Mas, se quiser fazer um boneco ao estilo Capitão Caverna fica show também.

Coloque o Cabeça-de-Capim sobre um pratinho ou base de garrafa Pet cortada. Deixe em local arejado e regue o topete do boneco diariamente mas, lembre-se "NÃO DÊ ÁGUA PARA O MOSQUITO DA DENGUE", todos os dias lave o suporte com uma bucha e troque a água.

Pronto! Agora é ficar na torcida para que os babys curtam a diversão. :D



 "Boneco Ecológico", Clube de Ciências


 "Boneco de Alpiste", dica do Spacinho


  "Boneco Ecológico" - Das Coisas Boas

Centopeia - corte uma perna da meia, coloque o alpiste, complete com serragem, feche e modele com linha, monte a carinha e regue todos os dias. - dica do blog Spacinho





"Boneco Ecológico" do Reciclar é Vida 

"Boneco Ecológico" - dica do blog Pois tudo na vida é Lamentávell 


 Boneco Ecológico do EMEI Mundo Encantado




"Cabelo de Alpiste" - sem reaproveitamento de meia calça. Alpiste plantado diretamente na garrafa Pet. Carinhas com recortes de revistas - feitos pelos alunos da professora Josy Elis do blog Carinharte 

 Alpiste plantado direto no substrato em copinhos descartáveis (sem meia) - dica do Spacinho


O passo-a-passo, abaixo, é o Boneco Ecológico ou Boneco de Alpiste da Andreza S.F. Melo do "Meus trabalhos Pedagógicos"



Pegadas Made in...
























Boas Férias!!!

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Um tapinha no visual do lavabo

Antes:
um surrado criado mudo, uma cuba de lavatório e a grande vontade de inovar...




Depois: 
um ambiente novo, personalizado e a imensa satisfação de dizer "Foi feito por mim!".
Note que o criado mudo ficou suspenso na parede, para ficar na altura certa dos encanamentos e do uso.

Passo-a-passo no Instructables

domingo, 18 de dezembro de 2011

Arte em pneus na DF-180

Passando pela DF-180, que liga o Gama/DF à BR-060 (via Embrapa Hortaliças), tenho a grata surpresa de ver, à beira da pista, vasos, bacia e lixeiras; jogos de poltronas, cadeiras e mesinhas; uma armação de feira com inúmeros pares de chinelos, tudo feito de pneu. De longe, uma barraquinha coberta de plástico azul e ornada com pilhas de pneus, parece uma borracharia de beira de estrada. Mas as artes chamam a atenção dos passantes que param. E eu paro! Com emoção de criança arteira, toco as peças, suspendo para sentir o peso, analiso as emendas. Fico encantada até pela coincidência do assunto: há poucas semanas eu havia pesquisado e comentado exatamente sobre as artes em pneu.



Um jovem senhor se aproxima e trato logo de puxar assunto "o senhor aproveita as hora vagas da borracharia para fazer artes?", e a resposta acompanhada de um simpático sorriso, "aqui não é borracharia, não senhora. Aqui é onde eu faço só as artes mesmo". Uauuu! Um ateliê no meio do cerrado! O moço é seu Zezinho, artesão de vários ofícios e ampla experiência em feiras de artesanato deste nosso Brasil. Conta belas história sobre as feiras de Goiânia (êêê Goiânia!) e de sua curiosidade e vontade em aprender o segredo das "bolonas" de Natal feitas com garrafas Pet, que viu em Alexânia-GO, "olhei, mexi, estudei aquele negócio, achei que saberia fazer quando chegasse em casa mas, não deu certo.", confidencia em tom frustrado.



Seu Zezinho não viu o post do Peguei na Rede, sobre pneus. Aliás, rede ele conhece algumas que aprendeu trançar. E aproveito para difundir os meus parcos conhecimentos adquiridos em minhas pesquisas. Falo de algumas ideias e modelos que vi na internet como o vaso taça que aproveita pneu e roda, a cascata em pirâmide, a floreira bacia com fundo trançado, os pufes... E seu Zezinho escuta atentamente, pega um pneu para eu demonstrar os supostos cortes "o senhor corta aqui... corta ali... aqui vira... aqui dobra..." (dizem que quem sabe faz, quem não sabe ensina...rsrsrs). Ele demonstra interesse pelas novas ideias e me leva para conhecer a máquina onde, cuidadosamente, corta os pneus. Uma serra circular de 4HPs numa bancada. Comento sobre a indicação do uso da serra tico-tico e ele alerta, "dona, essa tico-tico não dá certo não! É muito perigoso. O pneu é muito duro e pesado. Por causa dos arames a serra prende e qualquer movimento errado, pode escapulir e provocar um acidente sério. Usando essa serra potente às vezes o disco para de rodar...", ficadica do seu Zezinho.



Mesmo sendo um produto final, literalmente de peso, Seu Zezinho não reclama das vendas. "Bacias viram canteiros e hortas, lixeiras podem ser vasos ou proteção para árvores de chão. A maioria dos jogos de poltronas e mesinha vai para empresas. As pessoas gostam da ideia do reaproveitamento. É durável e ecológico! Reciclar é coisa fina e tá na moda.", diz Seu Zezinho com outro simpático sorriso.


 Agora só me falta conhecer o Donizete, um artista da madeira, que trabalha ao lado do Seu Zezinho, e que por estes dias está em casa se recuperando de um acidente. De acordo com Seu Zezinho, Donizete está bem e em breve dará o ar-da-graça na produção dos móveis rústicos, que é o quê gosta de fazer e faz bem. Volte logo Donizete!