quinta-feira, 14 de maio de 2009

Abajour com garrafão - passo-a-passo

Ebáááá! Enfim, uma luz na boca do garrafão.
Marly - assistente de mestre cuca, em maio de 2008, postou um passo-a-passo do abajour com aproveitamento de garrafão que seu "santo" marido lhe fez de presente. A arte ainda nos ilumina as ideias com a tal da "broca especial para vidros".
E eu fui lá peguei... o passo-a-passo.

MATERIAL

1 garrafao de vidro de 1 arroba ( 16 litros)
1 cúpula de 20 cm. de diâmetro ( parte de cima) e 40 cm. ( parte baixa)
3 metros de cabo elétrico com seu respectivo interruptor
1 rôlha de champanha (pode ser comprada e deve ter o diâmetro do gargalo)
1 tubo de 5 cm. com rôsca para o bocal
Fôlhas e flores sêcas
1 bocal (casquilho) para lâmpada incandescente ou de larga duraçao
1 perfuradora e uma broca especial para vidro



1º) Com a perfuradora e a broca, fazer um buraquinho na parte baixa do garrafao, com abertura suficiente para poder passar o cabo elétrico. Na foto dá prá ver a broca.
ATENÇAO: este proceso deve ser fieto com muito cuidado e aos poucos para nao quebrar o vidro.


2º) A rôlha da champanha foi trabalhada com lixa como mostra a foto. A rôlha deve ficar bem apertadinha no gargalo.


3º) Aquí já está montado o bocal com a rôlha e o tubo.


4º) O bocal onde irá enroscada a lâmpada.


5º) As flores e fôlhas sêcas


6º) Encher o garrafao com as flores e fôlhas sêcas, depois de passar o cabo elétrico e antes de colocar o bocal.


E o abajur pronto.

_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _

Parabéns Marly! Ficou lindo!
Para ver o post original e trocar ideias com a Marly, clique aqui.

quarta-feira, 13 de maio de 2009

Ideias fuxiqueiras

Fuxiqueiras pegadas da Celia Karolynne



Garrafas, garrafinhas e garrafões

E a história das bolinhas de gude no fio de nylon parece que vai virar o mito do Peguei na rede. É que a ideia ainda atrai atenções mas... nada de baixar um caboclo-bão-das-bolas pra dizer como se fura as danadas. E assim os dias vão passando. Ali no canto, um saco de bolas de gude e um rolo de linha de pesca, tristes a lançar-me olhares suplicantes: "Eaê?!?!?!"

Fui ali na Comunidade Casa e Jardim matar as saudades dos amigos e ver o que é que aquele povo arteiro anda aprontando. Achei um tópico sobre garrafas, e é óbvio zenntiii, peguei!

Fala que uns garrafões não enriquecem um ambiente

Sei nem o que dizer destes castiçais em ferro...

e essas luminárias? Nuuussinhora! Quem é que faz um trem desse? Porque eu simplesmente QUE-ROOO! Combinam com a minha cara de atrevida.

A abençoada criatividade da Santinha não deixa ninguém na mão... e eu que ainda pensava em comprar uns tocos para o jardim. Show de bola Yvone!

Tchutchuquinha demais essa ideia da plantinha dentro da lâmpada

"Um pote de vidro dos mais comuns", desses de 1,99 e... tandannnn!

É o que sempre falo, pra quem manda bem no pincel o mundo é mais colorido. Hum?

Pegada da Dihlu Sant'Ana, esse abajour tem assinatura, taí o criador Hélio Fontoura. Show!



Pelamordedeus!!! Lá vem a história do "fura vidros". Como é que se fura esse trem pra passar o fio elétrico? Furando um garrafão, é provável que se fura bolinhas também... tsi... tsi... tsi...

Um grande beijo às meninas pegadoras da Comunidade Casa e Jardim: Dihlu Sant'Ana, Lycia (la vita è bella), Yvone Pereira (Santinha) e Josie.

sábado, 2 de maio de 2009

Trio de cestos pendentes e meias nos vasos

Fiu ali no Cheiro de Mato, pegar esse primor de ideia que a Thaís Lauton postou em março.
Para quem dispõe de pouco espaço ou ainda que o tenha de sobra mas tá a fim mesmo é de dar um charme na casa, na varanda ou no escritório, fica aí a dica do conjunto de cesto pedentes, de tamanhos diferentes e presos por correntes. Muito fácil de fazer.

No caso de se usar cestos vasados, para conter a terra, Thaís recomenda forrá-los com musgo. Na foto, um trio de heras (hedera helix) mas, já penso aqui que a flor-de-cera (hoya carnosa) também ficará um charme. Lá vou eu, no sabadão, vasculhar as lojas de 1,99 atrás de cestinhos.


Ainda no Cheiro de Mato, e já inspirada pelo friozinho de outono que já começa por estas paragens, peguei também essa ideia para reaproveitar aquelas meias que desfazem o par. Não se sabe ainda o porquê mas, não raro sempre some um pé de meia. Aí, na esperança de um dia refazer o par, aquele solitário fica ali na gaveta, sem uso. "Só é preciso cortar o fundo da meia para deixar a base nivelada. De arremate, faça uma vira de um ou dois dedos para dentro do vaso.", dica da Thaís.